A obsessão pode causar ou agravar um caso de depressão? Como se dá a atuação dos obsessores em nível dos neurotransmissores?

Sim. Os processos obsessivos podem causar e agravar os quadros depressivos.

Talvez, fosse mais interessante que substituíssemos a palavra causar por induzir, já que toda obsessão começa no campo mental da criatura, que por culpa ou invigilância, predispõem- se a ação maléfica de entidades espirituais sofredoras.

Como afirma-nos o orientador Joseph Gleber, no livro “O Homem Sadio – Uma Nova Visão”, obsessão não é causa é efeito.

No caso em que as criaturas apresentam-se em franco quadro de depressão, podemos afirmar que o campo mental é propiciador para os processos obsessivos, estando, provavelmente, a criatura sob a ação de um ou mais entidades obsessoras.

Quanto a ação de entidades espirituais à nível de neurotransmissores, ela deve ocorrer sempre, por ação indireta, como falávamos em outra questão, e estar presente, por atuação consciente, quando da presença de entidades do mundo inferior de profundo conhecimento do assunto. Seriam cientistas do astral inferior, a atuarem por estímulos eletroquímicos nos sistemas cerebrais específicos, que controlam o humor, bloqueando ou estimulando a produção de determinadas substâncias, ou seja, os neurotransmissores.

Se um desencarnado estiver em depressão, o médium poderá assimilar esse quadro?

Certamente. E essa assimilação terá uma relação direta com o grau de relacionamento e sintonia entre encarnado e desencarnado. Sendo assim, a presença de culpa, a predisposição orgânica e mental, a sensibilidade mediúnica e a invigilância, nas ações do cotidiano, serão elementos determinadores dessa assimilação.

Essa ação espiritual poderá ser temporária ou crônica, de conformidade com o estado de sintonia do médium.

A oração tem uma ação profilática sobre os neurotransmissores cerebrais?

Do ponto de vista do conhecimento científico, do mecanismo de ação da prece nos neurotransmissores não temos informações claras, que pudessem responder de forma mais objetiva a pergunta que nos foi proposta. Entretanto, recordando-nos do Mestre Jesus, ao afirmar-nos que “tudo que pedirmos em oração, ser-nos-á dado”, acreditamos que o estado vibratório oriundo de uma prece sentida, em toda a sua expressão, é capaz de movimentar estruturas e mecanismos, em nosso organismo, levando-nos aos estados mais sadios, de nossa condição evolutiva.

O exercício mediúnico correto é fator de equilíbrio nas depressões? Por quê?

Como dissemos anteriormente, não acreditamos que o exercício mediúnico deva ser usado como forma de tratamento para as criaturas que estejam passando pelos processos depressivos mais sérios. No entanto, o exercício correto da mediunidade com Jesus é instrumento profilático para nossa mente, diminuindo nossa propensão aos processos patológicos de toda monta ou proporcionando-nos melhores condições de enfrentarmos nossas provas.

A mediunidade equilibrada oferece ensinamentos vários aos portadores dessa faculdade, entre esses, o do contato com a dor do outro, que entendida e auxiliada, criará para nós uma aura de harmonia e saúde.

O médium, ao assumir espontaneamente o seu trabalho, foge de suas atitudes pretéritas de rebeldia e egoísmo, e assim, afasta-se das causas espirituais da depressão.